CPA

APRESENTAÇÃO

Em abril de 2004, foi instituído, no Brasil, o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) com o objetivo de assegurar um processo nacional de avaliação das instituições de educação superior, dos cursos de graduação e do desempenho acadêmico dos estudantes. As instituições, a partir daí, deveriam criar suas Comissões Próprias de Avaliação para realizar uma autoavaliação institucional interna anual contemplando a análise global e integrada de diversas dimensões, estruturas, relações, compromisso social, atividades, finalidades e responsabilidades sociais das instituições e de seus cursos.

Segundo a lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004 (SINAES), a avaliação das instituições de educação superior terá por objetivo avaliar sua atividade como instituição de educação superior, considerando, em ampla perspectiva, sua relevância social, econômica e educativa para saber em que medida está cumprindo seus compromissos maiores para com a sociedade como um todo.

OBJETIVOS

Cada Instituição de Ensino Superior deve constituir uma Comissão Própria de Avaliação, com as atribuições de coordenar e articular o seu processo interno de avaliação, buscando identificar eventuais fragilidades para transformá-las em potencialidades, através de ações corretivas e proativas, sempre visando o aperfeiçoamento do papel institucional.

COMPOSIÇÃO DA CPA (2016-2018)

1. Representação Discente: Vinicius Maciel Borges
2. Representação Docente: Leila Rufino Barcelos / Rômulo de Morais e Oliveira
3. Representação Técnico-Administrativo: Damares Oliveira Santos Monteiro
4. Representação da Sociedade Civil Organizada: Antônio Carlos Lacerda Cabral
5. Coordenador indicado pelos integrantes da CPA: Damares Oliveira Santos Monteiro

A AUTOAVALIAÇÃO NA FCJP

A CPA, bem como a Direção da FCJP aplica a autoavaliação com a participação de professores, alunos, pessoal técnico e administrativo e em breve incluiremos a sociedade civil organizada.

A autoavaliação institucional é entendida prioritariamente como um ponto de partida para os ajustes necessários na FCJP. Ela é um instrumento estruturante das possíveis abordagens dos problemas vivenciados no ambiente institucional. Por outro lado, ela sedimentará uma cultura de avaliação diagnóstica, onde são identificados os erros e os acertos com o objetivo de correção e melhoria.